No caso das medalhas entregues aos jogadores na Olimpíada do Rio, a fabricação delas, que ficou por conta da Casa da Moeda do Brasil, foi considerada ecológica e, devido ao peso de cada uma, podemos dizer que são as maiores e mais pesadas medalhas de todos os tempos.
O design inclui as típicas folhas de louro, em alusão à representação da vitória na Grécia antiga, e o logo da Rio 2016, com a intenção de reunir representações da vitória atlética, das forças da natureza, da sustentabilidade e da acessibilidade. As peças são entregues em um estojo de madeira provinda de florestas sustentáveis, e o processo de obtenção do ouro não teve o uso de mercúrio, substância poluente.
Já no quesito acessibilidade, as medalhas dos Jogos Paralímpicos contam com um dispositivo interno que reproduz sons, para que os atletas com deficiência visual consigam reconhecer o prêmio que ganharam – a de ouro reproduz o barulho mais alto e a de bronze, o mais baixo.