domingo, 7 de julho de 2013

Cientistas criam orelha biônica com impressora 3D

Órgão é capaz de captar frequências mais amplas que ouvido humano.
Técnica une células, polímero e nanopartículas de prata


Orelha biônica criada com impressora 3D (Foto: Mel Evans/AP)



Cientistas da Universidade de Princeton, nos EUA, usaram a técnica de impressão em 3D para criar uma orelha composta de células de cartilagem, um tipo de polímero e nanopartículas eletrônicas capaz de captar frequências num espectro mais amplo que o ouvido humano.

Com uma impressora 3D comum, capaz de criar objetos tridimensionais por meio da aplicação de finas lâminas de matéria-prima, os estudiosos depositaram células de bezerro sobre uma base de material polimérico. As células viraram cartilagem. Simultaneamente, a impressora inseriu partículas de prata na estrutura, formando uma antena capaz de “ouvir” variadas frequências.

Os pesquisadores, liderados por Michael McAlpine, iniciaram a pesquisa porque a orelha é uma das estruturas mais difíceis de recriar por meios cirúrgicos. O modelo criado na universidade americana ainda precisa de mais testes para poder ser de fato usado.

Mas, na opinião dos autores da pesquisa, publicada na revista “Nano Letters”, a técnica é promissora para a substituição de órgãos humanos com problemas ou mesmo para a criação de partes corporais artificiais com capacidades que excedem as naturalmente e encontradas.

Pesquisadores manipulam impressora 3D em Princeton (Foto: Mel Evans/AP)Pesquisadores manipulam impressora 3D em Princeton (Foto: Mel Evans/AP)
Orelha é composta por células, polímero e nanopartículas de prata (Foto: Mel Evans/AP)Orelha é composta por células, polímero e nanopartículas de prata (Foto: Mel Evans/AP)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

EstampsCamisetas