sexta-feira, 9 de abril de 2010

Cochonilha (inseto)

Planta infestada com cochonilhas
Originário do México, mede de 2 a 5 milímetros de comprimento, é geralmente marrom ou amarelo, e se alimenta parasitando a seiva de cactos e plantas e da umidade ali presente.



Dentro da classe dos insetos, as cochonilhas são classificadas na ordem Hemiptera, sendo parentes próximas das cigarrinhas, cigarras e dos pulgões.

São conhecidas mais de 67.500 espécies de Hemiptera.

Para defender-se da predação por outros insetos, produz ácido carmínico, que extraído de seu corpo e ovos é utilizado para fazer o corante alimentício que leva seu nome.
cochonilha

O corante cochonilha é conhecido e utilizado desde as civilizações asteca e maia. A História relata que onze cidades conquistadas por Montezuma no século XV pagaram-lhe um tributo em forma de dois mil cobertores de algodão e quarenta sacos de corante cada. Durante o período colonial mexicano a produção do corante cochonilha (conhecido por grana fina) cresceu rapidamente.
Produzido quase exclusivamente em Oaxaca, por produtores indígenas, a cochonilha se tornou o segundo produto em valor exportado do México, superado apenas pela prata. O corante era consumido em larga escala na Europa e seu valor era tão alto no mercado industrial que seu preço chegou a ser negociado na Bolsa de Mercadorias de Londres e Amsterdam.

Corante Carmim de Cochonilha

Após a Guerra da Independência do México, entre 1810–1821, o monopólio da produção de cochonilha chegou ao fim. Produções em larga escala começaram a ser feitas na Guatemala e nas Ilhas Canárias. A demanda por cochonilha diminuiu ainda mais quando surgiu no mercado a alizarina, derivada das raízes da garança (Rubia tinctorum), em 1869 e durante o resto do século XIX com os corantes sintéticos.

Isto representou um grande choque para a Espanha, já que que diversas fábricas produtoras de corante cochonilha faliram por não conseguirem competir com seu processo praticamente artesanal de cultivo do inseto face à escala industrial dos corantes sintéticos com seus preços em queda devido ao aumento na produção.

Devido à forte concorrência dos produtos industrializados, a produção deste corante praticamente parou durante o século XX e foi mantida apenas com o propósito de manter a tradição indígena mexicana.

Apenas nos últimos anos a cochonilha voltou a ser comercialmente viável ainda que muitos consumidores não sabem do fato que o termo "corante natural" se refira à tinta derivada de um inseto, ou pelo menos ao vermelho-escuro deste.

Uma das razões que trouxeram o corante cochonilha de volta ao mercado é o fato de que ela não é tóxica ou cancerígena como muitos outros corantes vermelhos artificiais. No entanto, há evidências de que um pequeno número de pessoas quando exposta à cochonilha possa ter uma reação de choque anafilático.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

EstampsCamisetas